Aqui está o que 'American Sniper' diz sobre a América

O mais recente filme de Clint Eastwood, 'American Sniper', diz muito sobre a América - há dicas de lar dos corajosos, pitadas de vamos mostrar como é feito e uma ajuda generosa da foda americana -sim! Afinal, é um filme sobre um herói. O selo da marinha Chris Kyle lutou por seu país em várias turnês no Iraque e foi, em todos os aspectos, um grande patriota americano.



Mas quais são essas medidas? Que métricas estamos usando para o patriotismo e o que isso diz sobre nós? O filme em si é dirigido por especialistas - como muitos críticos legítimos dirão -, mas foi a experiência de assistir ao filme, em um teatro lotado, com outros americanos de sangue vermelho como eu, onde o medo se instalou.

LEIA MAIS: 'American Sniper' de Clint Eastwood coloca Bradley Cooper no campo de batalha



Chris Kyle era - alerta de spoiler - um atirador de elite. Ele era muito bom nisso e eles o chamavam de 'The Legend' por quão bem ele foi capaz de atirar. Quando Kyle conseguiu matar seu último alvo, a platéia explodiu em aplausos. Gritos altos. Eu me contorci. Torcer pela morte de outro ser humano parecia um pouco nojento. Eu amo meu país menos porque estou desconfortável torcendo pela morte de outro homem? Não, mas enquanto escrevo isso, me preocupo que mesmo questionar nossa construção de patriotismo me coloque em algum tipo de lista de acertos de casaca.



O filme faz um ótimo trabalho em nos contar exatamente quantas pessoas Kyle matou. Sua contagem final - 160 mortes confirmadas - é repetida e elogiada ao longo do filme por colegas, amigos e familiares. Também não havia revestimento de açúcar - ninguém disse: 'Você é uma lenda pelo quanto luta pela democracia'. Não, a linguagem nua de 'mortes confirmadas' é o que produziu a admiração.

Talvez mortes confirmadas não devam ser a métrica pela qual definimos patriotismo? Talvez porque celebramos esses tipos de mortes confirmadas, não sabemos como lidar com os outros tipos de mortes confirmadas, do tipo que a polícia nos trouxe em Ferguson ou Staten Island? A polícia, como os militares, são heróis; eles se colocam em perigo para nós. Mas matar pessoas é a parte mais grotesca de seus empregos. E, às vezes, eles entendem errado. Deveríamos oferecer suporte não qualificado por sua bravura, mas agora parece que talvez esse suporte deva ter alguns limites. Ao longo do filme, Kyle nunca pareceu questionar suas mortes e, em nosso relacionamento com a guerra e a justiça criminal, nós também não.

Afinal, onde todos aqueles assassinatos confirmados no Iraque nos levaram '>

Depois, há o problema das armas. O filme adora armas. Armas são a resposta para os animais selvagens, a resposta para a liberdade. Armas estão por toda parte: no campo de batalha, pela casa, em campos de tiro improvisados. O próprio Clint Eastwood é um grande fã de armas e, como um grande segmento de nosso país, nenhum número de assassinatos em massa mudou isso. (Entre 2000 e 2013, 486 pessoas foram mortas em tiroteios em massa.) De fato, parte da reabilitação psicológica e social do pós-guerra de Kyle está ligada a algumas práticas-alvo de boa índole. Não há nada como o som de um tiro para trazer alguém de volta a um estado emocional pacífico.

Como nossa visão das armas nos Estados Unidos, as armas no filme são mostradas de apenas duas maneiras: 1) matando selvagens horríveis que merecem morrer e 2) recreativamente. Mas no momento em que Kyle realmente perde sua própria vida com uma arma - uma arma que foi deixada nas mãos de um veterano enlouquecido que acabara de ser libertado de um hospital psiquiátrico - esse momento não é mostrado na tela. Porque isso significaria que as armas são totalmente impressionantes e necessárias. Isso teria sido uma admissão de que as armas às vezes caem em mãos erradas, que talvez devêssemos examinar mais de perto quem é capaz de conseguir uma arma neste país. Porque armas não tornaram Kyle mais seguro; eles o fizeram morto.

Milhares foram ao Cowboys Stadium em Dallas para o memorial de Kyle. Isso faz sentido para uma pessoa que sacrificou tanto. Mas e as pessoas que combatem o Ebola '>



Principais Artigos

Categoria

Reveja

Recursos

Notícia

Televisão

Conjunto De Ferramentas

Filme

Festivais

Avaliações

Prêmios

Bilheteria

Entrevistas

Clickables

Listas

Videogames

Podcast

Conteúdo Da Marca

Destaque Da Temporada De Prêmios

Caminhão De Filme

Influenciadores

Filme

Televisão

Prêmios

Notícia

Outro

Bilheteria

Conjunto de ferramentas

Listas

Festivais